Emanuel Pinheiro se diz indignado com a burocracia das licotações

O prefeito de Cuiabá Emanuel Pinheiro (MDB) se disse irritado com a morosidade da máquina pública. Como exemplo, ele citou que as diversas regras e prazos a se cumprir de uma licitação foram um dos fatores do atraso das obras do Pronto-Socorro da Capital.

Outro exemplo citado por ele foi que, em razão da burocracia, o município quase perdeu as emendas parlamentares da bancada federal, de pouco mais de R$ 25 milhões, destinadas a construção da segunda etapa da Orla do Porto.

“Me dá um pouco de raiva e angústia. Porque você chega com tanta energia e aí não consegue fazer, falta documento, entre outras coisas. No Pronto-Socorro, foi tanta burocracia. São 11 mil itens. É o processo de licitação mais complicado do mundo. Tem que seguir à risca a lei de licitações, de transparência, respeitar prazo, impugnações. As especificações técnicas são terríveis, tem o mobiliário certo. Tudo isso atrasa as entregas”, disse.

Midia News