Portadora do vírus HIV diz que foi orientada por pastor a interromper tratamento

Sem tomar remédios por um mês, ela acabou ficando debilitada. “O pastor pediu que eu fosse à catedral, em Del Castilho, dar meu testemunho. Chegaram a me levar de carro, mas queriam que eu levasse todos os exames e prontuários”, contou.
Uma mulher portadora do vírus HIV diz que foi orientada por um pastor da Igreja Universal do Reino de Deus, no Rio, a interromper o tratamento e parar de tomar os remédios.

A mulher, de 38 anos, que não quis ser identificada, disse ao jornal Extra que descobriu o vírus em 2012, durante o pré-natal da primeira gravidez. Ela começou a frequentar a igreja há quatro meses.

Sem tomar remédios por um mês, ela acabou ficando debilitada. “O pastor pediu que eu fosse à catedral, em Del Castilho, dar meu testemunho. Chegaram a me levar de carro, mas queriam que eu levasse todos os exames e prontuários”, contou.

O exame de sangue deu “não detectado” para carga viral, o que comumente as pessoas confundem com o sumiço da doença, que não tem cura.

Para combater a falta de informação, a Pastoral da Aids, da CNBB, vai promover um seminário com o tema Aids e Religiões em Itaipu, Niterói. A coordenadora da pastoral, Lúcia Souza, disse ao Extra que em três anos a pastoral registrou cinco mortes de pacientes que abandonaram o tratamento por orientação de igrejas.

Procurada pelo jornal, a assessoria da imprensa da Igreja Universal do Reino de Deus não respondeu ao questionamento.

Fonte:Yahoo/24Horas News