Presidente do PDT solicita cassação de vereadores; acusado alega perseguição

Foi protocolada na Câmara de Guarantã do Norte uma denúncia feita pelo presidente do PDT, Valter Scheuermann, contra os vereadores Katia Brambilla (PSB) e Alexandre Ribeiro Vieira (PSC) que aponta quebra de decoro parlamentar pelos dois denunciados, além de recebimento de vantagens e falsificação de documentos públicos pela social-democrata. Ele pede a cassação do mandato dos parlamentares.

Uma denúncia feita em agosto pelo Sindicato dos Trabalhadores do Ensino Público (Sintep), revela um suposto desvio de função. O documento traz que Katia é concursada como professora, mas ocupa o cargo de atendente de biblioteca. Além disso, aponta uma adulteração no controle de presença diária de julho, visto que, após uma solicitação pelo Sintep, os documentos foram entregues preenchidos, mas pouco antes da solicitação os mesmos estavam em branco.

Nesta linha, a denúncia protocolada no Legislativo mostra que em 26 e 27 de junho Katia esteve em dois lugares ao mesmo tempo, já que estava em viagem para Cuiabá, mas no controle de presença assinado por ela diz que a vereadora estava em aula, ou seja, as atividades como funcionária pública e parlamentares acontecem no mesmo período. Além de registros em horários de sessões em que também supostamente estava em sala de aula.

Em relação ao vereador Alexandre, conforme a denúncia, o social-cristão teria utilizado do prestígio parlamentar para influenciar servidores do Legislativo. Ele teria enviado áudios em um grupo do Whatsapp, intitulado “Câmara Guarantã do Norte”, e proferiu palavras de baixo calão, como “galinheiro” ao mencionar o Parlamento, e “bosta” ao se referir aos trabalhos feitos pelos vereadores. Neste sentido, a população pode questionar a integridade dos parlamentares.

A denúncia relata a quebra de decoro, pois não resguardou a imagem do Poder Legislativo, como jurado na solenidade de posse. Valter pede a instauração de uma Comissão Parlamentar e Inquérito (CPI), para que os fatos sejam apurados e posteriormente seja votada a perda dos mandatos.

Na próxima semana, os requerimentos serão votados e, caso os parlamentares aprovem, será instaurada a CPI para apurar a denúncia. O presidente da Câmara, o vereador Celso Henrique (PDT), confirmou que todos os trâmites estão em andamento e que o caso será investigado. “Está tudo encaminhado”, disse.

Outro lado

Alexandre, que foi eleito em 2016 com 550 votos, afirmou em entrevista ao site que a denúncia protocolada é equivocada, não tem base e completou que é sem fundamento. Ele alega que sofre uma perseguição política pelo denunciante e se diz à disposição para qualquer esclarecimento. “O denunciante é do mesmo partido do presidente da Casa”, aponta.

O site tentou contato com a vereadora Katia, no entanto, não obteve êxito. Ela foi eleita com 575 votos.

Fonte: Rdnews